20 setembro 2019

FESTA DOS CAPUCHOS 2019

​    Numa Sexta-feira de Setembro de 2019, dia 13, ao início da noite, muitas centenas de pessoas de várias idades começam a chegar ao Largo dos Capuchos, que voltou a  encher-se de muita gente e de muita música. Entraram sozinhas, aos pares ou em grupos, pelas entradas  principais do recinto. Era o primeiro dia da tradicional Festa dos Capuchos, em Honra de Nossa Senhora da Piedade dos Capuchos e do Senhor dos Aflitos, organizada pela Câmara Municipal de Vila Viçosa, que esteve de regresso a Vila Viçosa.

    O pontapé de saída foi dado pela caminhada nocturna “Capuchos 2019”, a partir do Largo dos Capuchos, que no dia anterior congregou várias centenas de participantes. Mas, a diversidade do programa dos dias de Capuchos, que nunca mudaram de nome, associa a tradição à  inovação e a música à cultura, entre outras valências culturais, de género distinto. Com efeito, o programa incluía, ainda, a apresentação da Revista de Cultura Callipole e do livro Flor de Lótus, a entrega dos prémios escolares e a exposição de desenhos. Numa terra que é testemunha de excepção da tradição religiosa, a festa dá também lugar às celebrações religiosas. No Largo dos Capuchos, o principal ícone espacial onde uma parte importante dos momentos capuchais teve lugar, aconteceu o fogo de artifício, que fez as delícias de todos os calipolenses e visitantes. Também não há Festa dos Capuchos sem as tradicionais largadas de touros.  

    A música voltou a ser uma das principais atracções. O programa musical desta edição da Festa foi variado e  caracterizou-se por uma forte aposta nos jovens talentos que abrem caminho no mundo da música ligeira portuguesa e internacional, que abarca um vasto reportório  que cruza distintos géneros musicais portugueses que, nesta edição, se traduziu  em quatro concertos. Em síntese, o palco é dado à música.  

    Ao som dos primeiros acordes da música, que nos fez reviver os anos oitenta,  a Banda Nova Onda abriu o programa musical da primeira noite da Festa calipolense, apresentando o seu mais recente projecto musical. Logo no dia seguinte, teve lugar um dos grandes momentos da programação: o concerto ao vivo a cargo de “Matias Damásio”, talento afirmado nos circuitos musicais nacionais e internacionais, que ao longo de quase duas horas, encantou a multidão que encheu o Largo dos Capuchos. Do programa dos restantes dois concertos constou, ainda, o nome de “Sérgio Rossi”, que protagonizou outro momentos importante do programa musical. O último concerto, assinala o regresso  do artista Augusto Canário a Vila Viçosa, que subiu ao palco para fazer o concerto de encerramento da Festa dos Capuchos.  

    A festa maior de Vila Viçosa foi, como sempre, um momento festivo com muita alegria, e animação, como é próprio do verdadeiro sentido de uma festa. Um contínuo movimento de confraternização e de convívio, que permitiu reencontrar os membros de uma mesma família, reunir famílias distintas, juntar amigos e parentes ausentes. Enfim, o momento de encontro, de alegria, de cordialidade e do abraço familiar, amigo e solidário entre os que cá vivem com os que regressam.

    As celebrações atraíram inúmeros visitantes e fizeram mover muita gente, constituindo um acontecimento de grande participação popular. Neste sentido, a Festa dos Capuchos é um inegável valor cultural e turístico que fortalece e irradia uma imagem atractiva para o exterior, tendo, por isso, conseguido o reconhecimento e a preferência de milhares de visitantes.